Rio Grande do Norte, quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 11 de maio de 2013

Semob publica planilha de custos do transporte público de Natal

postado por Daniel Menezes

via_natalA Secretaria de Mobilidade de Natal publicou planilha, que segundo a pasta, justifica o aumento da tarifa nos ônibus coletivos da cidade. Apesar de apresentar restrições metodológicas – no que concerne a não-demonstração de como se deu a coleta de dados [já toquei nesse problema em post anterior] e os números gerados – e produzir comparações descontextualizadas entre valores praticados em outras cidades, a prática ajuda a qualificar o debate.

SOBRE A COLETA E GERAÇÃO DE DADOS

Em qualquer demonstração estatística, de dados pouco adianta publicar resultados. Quem tem cacoete com pesquisa sabe que mais importante – e antes de tudo – é entender como às informações foram construídas. Dependendo da “lente” (instrumento de aquisição de informações), o “tigre” vai ser pequeno, ou enorme. Seria bom esclarecer essa fase, que é primária.

SOBRE A COMPARAÇÃO

Estamos ali em posição intermediária, com os nossos R$ 2,20, na lista dos preços cobrados no nordeste. No entanto:

O Seturn não recebe subsídio fiscal. Mas:

Ônibus em Natal não tem custo com cobrador em 60% de sua frota. Estranhamente, o TRT-RN, após provocado, permitiu que um motorista dirija um carro de 50 lugares, contando moedas. Essa condição de trabalho foi abolida nas outras capitais, enquanto o sistema não estiver 100% informatizado. Motivos trabalhistas e de trânsito óbvios. Não só para o TRT;

Natal tem um dos menores perímetros urbanos do nordeste;

Não há cobrança mais barata para os trechos menores – enquanto outras cidades cobram valores menores para trechos menores, nós sempre pagamos cheia;

Carros rodam ser ar condicionado – conforto já está se tornando realidade, mas não para a gente;

As linhas ultrapassadas em relação ao desenvolvimento da cidade forçam o pagamento de mais de uma tarifa, problemas de integração;

Frota das mais velhas do nordeste – somos importadores de ônibus de outros estados do nordeste;

Serviço precário de transporte noturno e para deficientes, etc. A reclamação é constante, inclusive, aqui na Carta Potiguar já veiculamos o assunto;

Em João Pessoa, estudantes da rede municipal andam de ônibus gratuitamente – recebem duas passagens por dia.

São problemas e virtudes que jogam contra o nosso combalido transporte público municipal. É preciso pesar os pontos negativos e positivos de cada modelo praticado, para, aí sim, fazer uma análise mais fundamentada.

ZERANDO

Uma nova licitação vai ser fundamental para re-pactuar sistema e controle público e social.

Mas, repito: a planilha abre o debate…

Planilha

http://www.slideshare.net/NatalPrefeitura/proposta-reaj-f2013

Daniel Menezes

Cientista Político. Doutor em ciências sociais (UFRN). Professor substituto da UFRN. Diretor do Instituto Seta de Pesquisas de opinião e Eleitoral. Autor do Livro: pesquisa de opinião e eleitoral: teoria e prática. Editor da Revista Carta Potiguar. Twitter: @DanielMenezesCP Email: dmcartapotiguar@gmail.com

4 Responses

  1. Fábio Farias disse:

    Daniel, só mais um detalhe: pelo que sei, por força de decisão judicial, só 20% da frota utiliza motorista com dupla função. Foi vitória do Sintro. Esse profissional recebe, além do salário, 2% do faturamento do ônibus.

  2. Alex de Souza disse:

    é bom deixar claro que aqui em JP alunos das escolas municipais recebem 2 passagens por dia e quem paga a conta é a secretaria de educação.

  3. […] no caso, a prefeitura (veja minha análise sobre o controle [não] exercido pela prefeitura aqui). E a promessa de uma licitação está longe de sair do […]

Cidades

Conselho de Mobilidade autoriza aumento de passagem para R$ 2,40

Cidades

UFRN organiza palestra sobre homofobia e avanço do conservadorismo no Brasil