Rio Grande do Norte, domingo, 25 de junho de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 19 de setembro de 2016

O Preço do Grande Mestre

postado por Wagner Uarpêik

matteo-pugliese-rivelazioneEm cada senda do saber pulsa um coração sagrado. Em cada montanha do conhecimento há um cume infinito. Cada arte guarda sua própria quintessência secreta. Todo caminho tem mestres.

A sorte e o tempo fazem o mediano. O talento e o estudo fazem o bom. “Um bom começo é a metade.” dizem. Mas é preciso uma vida inteira para o mestre e muitas vidas para o gênio!

No topo da medicina, os grandes médicos assustam a morte! Nos círculos superiores, tocam e cantam os gênios da música! À frente dos pintores, correm os superpintores! Muito longe dos poetas medianos, voam os heróis do verbo! Nos últimos degraus da filosofia, do artesanato, da funilaria, do boxe, da dramaturgia, da faxina, da costura, da política, da astronomia, etc., gargalham e batalham os invencíveis! Do mecânico ao sofisticado, do mais comum ao mais sublime, cada ramo da indizível árvore da sabedoria humana conta com seus heróis, seus altos guardiões, seus grandes mestres, seus titãs, seus gigantes abre-caminhos!

O dinheiro é o sangue deste mundo. É prêmio e castigo, guerra e paz, jogo e prova. Fala o idioma da energia, esse terrível acusador do espírito, esse franco e impiedoso juiz! Mas nem mesmo ele deixará de ser uma mera homenagem ofertada pelo aprendiz àquele que alcançou a maestria num caminho, àquele que decifrou a essência de uma arte. Quanto vale um mestre? O tempo e o dinheiro poderiam cantá-lo?

No fundo, todo preço é espiritual. O dinheiro do universo é o espírito! As moedas mais caras do mercado global só medem ou turvam, barateiam ou encarecem aquilo que pertence à alma e por ela há de ser pago. O preço de um mestre é sua vida! E um mestre se paga, acima de tudo, com virtude.

Queres te servir dos melhores? Paga com tua própria vida!: em moedas de sorte, prosperidade e astúcia. Para comprar o melhor jardim, consegue o melhor jardineiro! Para encomendar a melhor casa, paga o melhor pedreiro e o maior arquiteto!

Ó comprador!: é preciso ser duas ou três vezes rico para pagar um grande mestre! És rico o bastante?

Então queres aprender com os melhores? Paga ainda mais caro com tua própria vida!: em moedas de sorte, prosperidade, astúcia, humildade, força e paciência. Para conhecer os maiores segredos da padaria, torna-te o melhor aprendiz do melhor padeiro! Para enxergar as mais altas fórmulas da cosmologia, honra a companhia do maior cosmólogo, sobe à altura de cada lição!

Ó estudante!: é preciso ser cinco ou seis vezes rico para acompanhar um grande mestre! És rico o bastante?

Ah, queres superar os melhores? Paga ainda ainda mais caro que eles com tua própria vida!: em moedas de sorte, prosperidade, astúcia, humildade, força, paciência, autoconfiança, perfeccionismo e criatividade. Para derrotar o melhor lutador, estuda-o durante anos e treina melhor que ele! Para escrever ainda mais longe que teus gigantes, sobe aos ombros deles, enxerga com lucidez aonde foram, aprende a reinar nas terras que jamais conheceram! Um gênio da guerra ensinou: “Entre a força e a técnica, vence a técnica. Se a força e a técnica forem iguais, vence o espírito”.

Para chegar às alturas, aprende a olhar e caminhar para o alto, desafiante! ultrapassa depressa os medíocres, os menores, os seguidores! O guerreiro que procura verdadeiramente a perfeição em qualquer arte ou caminho, em algum momento da jornada se cansará de medir-se com os medíocres e buscará os bons, se cansará de medir-se com os bons e buscará os melhores, se cansará dos melhores e torna-se-á, enfim, o melhor! Quantas mil vezes exigiu seu talento e clamou sua honra: “Não percas tempo golpeando soldados, tolo modesto: derrota capitães! Não percas tempo com galos de briga, galinha ociosa: busca guerreiros! Não gaguejes entre sonhadores, masturbador preguiçoso!: marcha e colhe além dos realizados! Não te humilhes ladrando junto aos cães!: derrota seus donos! Não gargalhes entre papagaios: derrota seus treinadores! Não te percas entre porcos!: guarda as pérolas! Não te cegues com vassalos: mira os senhores! Não te arrisques agarrando membros: corta cabeças! Não te desonres com fiéis: supera líderes! Não te canses com discípulos!: vence os mestres! Não persigas seguidores: escala além dos criadores, grande desafiador! Não rastejes com alunos e diletantes: duela com professores, grande desafiadora! Enfim, que não te sangres com súditos!: prepara teu sagrado tesouro para desafiar reis! Encontra logo o coração, a coluna, os mestres do jogo! poupa tua glória dos peões e figurantes!”

Ó lutador!: é preciso ser oito ou nove vezes rico para superar um grande mestre! És rico o bastante?

Três anos de virtudes podem transformar um noviço talentoso em mestre. Um único segundo de vício pode apodrecer a arte do grão-mestre! Tudo que é sublime se alimenta de sacrifícios cada vez maiores. Queres te tornar invicto? Paga ainda mais caro com tua própria vida, ó alegre algoz de si!: em moedas de sorte, prosperidade, astúcia, humildade, força, paciência, autoconfiança, criatividade, perfeccionismo, bom humor, auto-observação e ausência de autopiedade. Eis a tática mais nobre e reta para alcançar a glória suprema em qualquer prática: ultrapassar a si próprio a cada novo dia. Só então a essência da arte poderá cantar em cada célula do teu corpo e dançar em cada elétron do teu sonho!: “Ah, guerreiro incansável: sacrificaste teus demônios imundos e ofereceste teu melhor a mim! Amaste e conheceste a mim como a ti mesmo. Só assim beijei teu coração e abracei tua vida! Que eu seja para sempre tua oração! Que eu seja para sempre tua última e mortal brincadeira!”

Ó alma invencível e preciosa: de onze ou doze fortunas precisarás para superar incessantemente a ti mesma em tua melhor arte! Conquistaste a primeira?

.

.

.

.

Imagem: Rivelazione (escultura de Matteo Pugliese)

 

Wagner Uarpêik

Inscriptor

Comments are closed.

Artes

Caio Padilha, carioca, radicado em Natal, faz show antes de temporada em São Paulo com o show “Arrivals”

Artes

Por onde andará M. Aguéev?