Rio Grande do Norte, sexta-feira, 28 de abril de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 17 de abril de 2017

#LavaJatoNoRN: Homem forte de Carlos Eduardo Alves encaminhava propina da Odebrecht

postado por Carta Potiguar

Victor Leão
Jornalista

O atual Procurador-geral do Município de Natal, Carlos Castim, é citado na delação da Odebrecht como um dos responsáveis por receber as senhas, local e data do pagamento de propina durante o governo Wilma de Faria entre 2008 e 2010. A informação é do ex-diretor de contratos da Odebrecht para Rio Grande do Norte, Piauí e Ceará, Ariel Parente. O superior dele na empresa, João Pacífico, confirma o nome do homem forte do prefeito de Natal.

Carlos Eduardo silencia a respeito do envolvimento(Foto: Reprodução)

Carlos Castim se defende dizendo que foi secretário adjunto do Gabinete Civil no período 2003 a 2007, primeira gestão de Wilma de Faria. No entanto, é ciência de todos que ele permaneceu no governo depois disso. A partir de 2007, Castim assume a Secretaria de Segurança Pública, visto que a governadora havia sido reeleita para um segundo mandato.

Carlos Castim só deixou o cargo de confiança depois que sua mulher foi presa durante a Operação Hígia da Polícia Federal. Isso ocorreu em julho de 2008. Ainda assim, ele nunca se afastou do grupo político de Wilma de Faria. Tanto que em 2013, quando a chapa Carlos Eduardo Alves – Wilma de Faria retornaram ao comando da Prefeitura de Natal, ele retoma ao primeiro time e toma posse como Procurador-geral do Município, onde até hoje permanece no cargo.

Eleonora Castim foi presa durante a Operação Hígia (Foto: Reprodução)

O estarrecedor é que até o momento, o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, preferiu fingir que não houve acusação contra seu homem forte na Procuradoria- geral do Município. Na sua conta do Twitter, preferiu desejar um genérico “feliz páscoa” aos natalenses no domingo, mesmo um dia depois de seu Procurador-geral ter divulgado uma nota sobre o caso.

Corrupção em família

A Operação Hígia acabou com um esquema de corrupção na Saúde Pública Estadual que envolvia, entre outras pessoas, Lauro Maia, filho da governadora condenado em 2013. A mulher de Castim, Maria Eleonora Castim, passou seis dias presa logo quando a operação foi deflagrada. Ela era coordenadora financeira da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) e foi denunciada pelo Ministério Público como a operadora financeira do esquema criminoso. Apesar disso, é preciso ressaltar, ela foi absolvida pela justiça. Agora, é seu esposo quem aparece!.

ATUALIZAÇÃO

Carlos Castim emitiu uma nota a respeito da citação. Confira abaixo na íntegra:

NOTA À IMPRENSA

Na manhã deste sábado (15) fui totalmente pego de surpresa pela notícia de que meu nome havia sido citado em um depoimento de um ex-diretor da construtora Norberto Odebrecht, envolvendo suposto pagamento de colaboração financeira para campanha ao Governo Wilma de Faria.

Sobre tal fato, é preciso, em respeito à verdade, aos meus colegas de profissão e de secretariado, bem como à população natalense a quem sirvo, prestar os seguintes esclarecimentos:

1 – Ouvindo cuidadosamente o depoimento do Senhor Arial Parente, ex-diretor da Construtora Norberto Odebrecht, destaca-se que: EM MOMENTO ALGUM DE SEU DEPOIMENTO, o depoente diz ter intermediado ou tratado COMIGO, a respeito de qualquer pagamento ao Governo Wilma de Faria;

2 – A ÚNICA VEZ em que meu nome é mencionado, se refere a um contexto de pessoas que TALVEZ, tivessem sido INFORMADAS sobre as senhas para liberação do suposto pagamento autorizado pela empresa. Adiante, o mesmo depoente afirma não saber quem recebeu o valor;

3 – Para melhor esclarecimento e para que nenhuma dúvida paire a respeito do que foi falado pelo depoente envolvendo o meu nome, é importante reproduzir fielmente, abaixo, a parte que se refere ao meu nome. Assim, diz o depoente:

“ As senhas e as datas de pagamento eram informadas, POSSIVELMENTE à Carlos Faria ou TALVEZ à Carlos Castim, então secretário adjunto, ou TALVEZ a outras pessoas que não me recordo.”;

04 – Ainda com relação à data em que esse suposto pagamento ou comunicação sobre a liberação das senhas e respectivo pagamento teria ocorrido, o ex-diretor afirma literalmente o seguinte:

“ Isso foi 2008. Tem 8 (OITO) anos. Nessa época eu estava com várias obras tocando simultaneamente, com muitos problemas; falta de dinheiro, obras paralisadas e… Então o Pacífico (diretor da Odebrecht) autorizou esse pagamento com a finalidade de não faltar recursos para obra…”;

05 – DOIS PONTOS desse depoimento merecem ser destacados: O primeiro é a palavra TALVEZ (ADVÉRBIO DE DÚVIDA) empregada pelo ex-diretor ao se referir à minha pessoa, assim como quando se dirige “… TALVEZ a várias outras pessoas que não me recordo”. O segundo ponto é que em 2008, eu já não era mais Secretário Adjunto da Casa Civil do Governo do Estado, função que desempenhei até janeiro de 2007;

06 – Acredito, com toda a tranquilidade de minha consciência, que a citação ao meu nome no depoimento do ex-diretor da Odebrecht, se deve, única e exclusivamente, ao fato de ter, no período de 2003 até janeiro de 2007, ocupado o cargo de Secretário Adjunto do Gabinete Civil, sendo responsável pelo acompanhamento dos problemas administrativos internos do GAC e demais Secretarias e órgãos da Administração Direta e Indireta do Governo do Estado. Assim sendo, afirmo que JAMAIS tratei de qualquer assunto de natureza política e/ou empresarial, porquanto não era da minha alçada.

Natal, em 15 de abril de 2017.

CARLOS SANTA ROSA D’ALBUQUERQUE CASTIM

Procurador-Geral do Município De Natal

4 Responses

  1. Vitor Castim disse:

    Ouça os áudios, ouça a forma como o delator fala “eu acho que…”, “não sei se era”… Por fim, em 2008 ele sequer trabalha no gabinete civil. Antes de propagar qualquer notícia e tomar como verdade qualquer coisa deletada, vamos averiguar a veracidade das coisas sem correr o risco de manchar a imagem de quem quer que seja.Não obstante, divulgue também que Eleonora foi INOCENTADA do processo ao qual ela foi INJUSTAMENTE presa e acusada!

  2. Beatriz Castim disse:

    Seria muito bom queo senhor transcrevesse o “áudio onde meu pai é citado” antes de escrever um artigosinho maldoso como esse! A pessoa que fala em meu pai diz, muito claramente, que “talvez Castim ou outras pessoas” soubessem de algo quanto a suposto pagamento feito a então governadora.
    Nada mais é dito! Não é dito que ele recebeu dinheiro, que ele intermediou o recebimento ou cometei qualquer ilicitude!
    Artigos inconsequentes como esse podem destruir a vida de uma pessoa, sobretudo, quando ela é HONESTA. A maldade humana não tem limites, muito menos se recorda que a mesma sempre retorna a sua fonte!
    Muito cuidado com essa irresponsabilidade de divulgar conteúdo pela metade, com interpretções distorcidas.
    Se preocupe em transmitir os fatos e não em destilar veneno!

  3. Jornalista disse:

    Seu irresponsável, vá para a faculdade de jornalismo para aprender sobre ética. Você e seu patrão, esse tal de Daniel Dantas deveriam se envergonhar do tipo de jornalismo que praticam. Usar o nome de uma pessoa que foi julgada e considerada INOCENTE pela Justiça. Você sabe o que significa isso, seu irresponsável? Se o procurador emitiu uma nota em sua defesa, publique a nota, tenha vergonha na cara. Aprenda a ser jornalista de verdade. Ou será que você está servindo ao interesse de quem quer derrubar a imagem do prefeito para ficar com caminho livre na eleição? Porque você não fala da corrupção na família do governador? Tem medo ou tem rabo preso? Está recebendo algum jabazinho? Gente como você envergonha a categoria dos jornalistas, seu escroto!

  4. Consciência disse:

    A que ponto se chega para conseguir atrair leitores? Obviamente a matéria não chamaria tanta atenção se o título fosse coerente com o teor da delação. Imprensa podre! Vocês se travestem de verdadeiros inquisidores, não só julgando, mas condenando pessoas e famílias em troca de alguns acessos ao seu blog. Ou vocês acham que quem lê uma matéria maldosa e irresponsável como esta vão crer na inocência dos personagens? Imaginam o tanto de sofrimento que podem causar? Para lembrar: corrupção não é tão somente o ato de roubar dinheiro público… é muito mais amplo… é quando se corrompe, modifica algo a fim de tirar vantagem e proveito próprio. Exemplo: Um blog sem futuro construir uma matéria omitindo informações e expondo apenas aquelas sensacionalistas a fim de chamar a atenção de leitores. Corruptos! Irresponsáveis!

Leave a Reply

Política

Vereador Cícero Martins enfrentará Comissão de Ética da CMN

Política

De acordo com delação, Robinson, Fábio Faria e Rosalba receberam dinheiro ilegal de duas empresas do grupo Odebrecht