Rio Grande do Norte, domingo, 25 de junho de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 6 de junho de 2017

Henrique Eduardo Alves (PMDB) está preso

postado por Carta Potiguar

Na manhã desta terça-feira (06), a capital potiguar amanheceu com uma notícia tardia, mas esperada. Após 44 anos ininterruptos como deputado federal, o ex-presidente da Câmara, ex-Ministro do Turismo e amigo pessoal de Michel Temer, Henrique Eduardo Alves (PMDB) foi preso preventivamente, acusado de receber propina, por meio de doações eleitorais oficiais e não oficiais, em troca de favorecimento de empresas de construção civil. Como contrapartida, os dois trabalharam pelos interesses dessas empresas em assuntos como a obra da Arena das Dunas. O mandato foi expedido pela Justiça Federal no Rio Grande do Norte e a ação faz parte da Operação Manus, um desdobramento da Lava Jato baseada nas delações de executivos da Odebrecht.

Henrique Alves é dono da InterTV Cabugi, (retransmissora da Globo), que inclui ainda, a Rádio Globo/Cabugi (AM), de Natal; a 104 FM, de Parnamirim; a Rádio Difusora de Mossoró (AM); a Rádio Cabugi do Seridó (AM), do Seridó; a Rádio Baixa Verde (AM), de João Câmara; e Pereira de Souza (SP) (Foto: Reprodução)

Além da prisão de Henrique, o MPF obteve da Justiça Federal no RN seis mandados de condução coercitiva e o deferimento dos pedidos de busca e apreensão em 15 endereços de empresas e residências localizadas no Rio Grande do Norte. Entre os envolvidos estão o secretário de Obras de Natal e primo do ex-ministro, Fred Queiroz, sua esposa a jornalista Érika Nesi e seu filho Matheus Nesi, presos preventivamente. Fred é proprietário da empresa Pratika Locações que é apontada como a principal responsável pelo esquema de lavagem de dinheiro vindo de doações legais e ilegais para a campanha de 2014.

Fred Queiroz, sua esposa a jornalista Érika Nesi e seu filho Matheus Nesi, foram presos preventivamente. (Foto Reprodução)

O publicitário Arturo Arruda, cunhado de Henrique, foi levado coercitivamente enquanto participava de um processo licitatório na cidade de Mossoró. A agência de sua propriedade, a Art&C, a Peron Filmes e a sede do PMDB foram alvos de busca. O ex-tesoureiro da campanha do PMDB de 2014, Eurico Alecrim e o professor Jaime Mariz também prestaram depoimentos.

O publicitário Arturo Arruda foi levado coercitivamente para depor, enquanto participava de um processo licitatório da Prefeitura de Mossoró.(Foto: Ney Douglas/Novo Notícias)

Outros processos

Essa não é a única acusação que pesa sobre os ombros daquele que já ocupou o cargo de presidente em exercício. Aos 68 anos, o ex-deputado é réu em duas outras ações no DF. Na primeira, ele responde por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. De acordo com dados enviados da Europa, Henrique matinha uma conta, que está bloqueada, com 800 mil francos suíços, algo em torno de R$ 2,8 milhões.

No outro processo, também com tramitação em Brasília, o ex-ministro é acusado de improbidade administrativa. A ação apura um suposto enriquecimento ilícito entre os anos de 1998 e 2002. De acordo com a Justiça, Henrique apresentava sinais de riqueza incompatíveis com a renda e bens declarados. Neste período, ele estava sendo contado para ocupar a vaga de vice na chapa de José Serra (PSDB). Porém, com as denúncias, inclusive de sua ex-mulher que o acusava de esconder uma fortuna de R$ 15 milhões no exterior, seu nome foi rejeitado.

 

 

Leave a Reply

Política

A cultura histórica em perigo: a reforma do Ensino Médio, o ensino de história e o direito ao passado

Política

Guilherme Boulos estará em Natal hoje (07) para debate