Rio Grande do Norte, terça-feira, 21 de novembro de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 18 de agosto de 2017

Paródia de “Despacito” que prega humilhação de apenados é apoiada pelo Secretário da SEJUC/RN

postado por Carta Potiguar

Um vídeo publicado pelo G1 na última quarta-feira (16), mostra um curso de formação de agentes penitenciários organizado pelo atual Secretário de Estado da Justiça e da Cidadania do RN, Luís Mauro Araújo. Na ocasião, uma servidora da Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal (SESIP) canta uma paródia da música “Despacito”, chamada “De Castigo”. A letra modificada prega a violação e a humilhação contra os apenados.

O Secretário de Justiça do RN, Luís Mauro Araújo ri ao escutar a paródia (Foto: Reprodução)

No início do vídeo, o Secretário de Justiça do RN, Luís Mauro Araújo, elogia a voz da servidora. Em um trecho a paródia diz: “não mexe comigo, sou operacional, a bala é de borracha mas tenho letal”, nesse momento é possível ouvir a frase de apoio “correto, hein?”. Em outro trecho a servidora canta que o “DPOE só tem agente malvadão”, fazendo referência ao Departamento de Operações Especiais, onde Mauro foi diretor por 15 anos.

“De castigo, preso que não obedece eu ponho no castigo, suspendo o parlatório e as visitas tudo […].”

A paródia de  mau gosto arranca gargalhadas do secretário, que observar sem fazer nenhuma menção ao conteúdo criminoso da música. Ainda na letra, os presos são chamados de burro e a “cantora” questiona quanto de gás de pimenta cabe numa cela. O secretário Luís Mauro Araújo a parabeniza no final da apresentação. O teor do vídeo está sendo investigado pela  Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe), vinculada à Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social (SSP-DF).

Mauro Araújo foi empossado como Secretário em maio deste ano. (Foto: Reprodução)

Para a Doutora em Antropologia, Juliana Melo, a postura do secretário não somente é grave, como é mais um elemento que coaduna as denúncias feitas pelas famílias de apenados envolvendo tortura, maus tratos e violações no sistema prisional potiguar. “É necessário questionar essa postura do nosso secretário de justiça, será que isso mesmo? Será que vale tudo?”.

Mauro Araújo atuou na Penitenciária Estadual de Alcaçuz (PEA), em 2016. Ele vem intervindo pessoalmente no local e mais precisamente no Pavilhão 05, de onde veem as denúncias de tortura.

Assista o vídeo:

Comments are closed.

Direitos Humanos

Porque a cegueira é uma consequência esperada do nevoeiro

Direitos Humanos

Massacre de Alcaçuz volta às manchetes internacionais