Rio Grande do Norte, segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 5 de dezembro de 2017

Exposição destaca cotidiano de jovem periférico de Natal

postado por Leonardo Dantas

Marginalizados, caricaturados e vítimas de preconceito, os chamados “pintas” é o tema de um dos 22 projetos que compõe a exposição “Multiverso Fotógráfico”. Denominada de “O pinta natalense”, a produção foi idealizada pela fotógrafa Meysa Medeiros e serviu como trabalho de conclusão de curso da universidade.

Meysa Medeiros tem como objetivo mostrar um novo lado do “pinta natalense”. (Foto: Alex Fernandes)

De acordo com Meysa,  as vestes peculiares, os gestos, gírias e gosto musicais são abordados no ensaio humanista de uma maneira sem esteriótipos. “De forma preconceituosa tendem a defini-los como bandidos”, afirma. Porém, seu trabalho apresenta os “pintas” como um estilo de vida, uma visão de mundo, assim como os são os punks, góticos, emos, veganos etc.

Foto de um jovem morador da Zona Norte de Natal, que por questões pessoais pediu para não ser identificado. (Foto: Meysa Medeiros)

Ainda de acordo com a fotógrafa, o projeto tem a “ambiciosa” pretensão de tentar desmistificar os estereótipos pejorativos relacionados a esses jovens, e dar visibilidade a esse grupo urbano “tão interessante e original do nosso da nossa cidade do Natal”.

Os trabalhos da “Multiverso Fotográfico” estão expostos na Pinacoteca do Estado e é coordenada pelo professor e fotografo Henrique José.

Os irmãos Diego e Diogo, moradores do bairro de Felipe Camarão, se dizem pintas, porém trabalham e afirmam não ter muitas amizades no bairro, pois os amigos de infância hoje vivem do crime. (Foto: Meysa Medeiros)

 

Leonardo Dantas

One Response

  1. Anny Karolinny disse:

    olá!

    A exposição ainda está acontecendo, tem algum dia especifico, horários ?
    agradeço desde já a informação!

Leave a Reply

Cidades

Artistas debatem o Teatro Sandoval Wanderley e Alecrim neste domingo, 03

Cidades

Sobre a atual onda de demissões em massa de profissionais de educação superior na Estácio e na UnP