Rio Grande do Norte, quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 16 de junho de 2017

Morre Wilma de Faria, vítima de câncer

postado por Leonardo Dantas

Conhecida por seus eleitores como “Guerreira”, Wilma de Faria foi uma figura marcante e emblemática na política do RN. A mossoroense teve uma longa trajetória política e como mulher conquistou diversos espaços, antes ocupados apenas por homens.

Em 1986, foi a primeira Deputada Federal do RN e uma das poucas parlamentares a receber nota 10 pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. Dois anos depois foi eleita a primeira prefeita de Natal. Fato que iria se repetir em 1996 e depois no ano 2000, essa última vencendo no primeiro turno. Além do pioneirismo de uma mulher no executivo, Wilma conseguiu eleger três vereadoras em sua base no seu primeiro mandato.

As centrais sindicais, em trabalho coordenado pelo DIAP, tiveram papel fundamental nas conquistas alcançadas na Constituição de 1988. (Foto: Reprodução)

No ano de 2002, em mais um episódio inédito, foi eleita a primeira governadora do RN e reeleita em 2006. Após um período atuando nos bastidores, Wilma compôs a chapa com Carlos Eduardo no 2012, se tornando sua vice.

Com tantas atuações no executivo, sua eleição na Câmara Municipal de Natal foi considerada um recomeço. Wilma fez parte da maior bancada feminina da história do legislativo potiguar. Na mesa diretora da atual legislatura,  ocupava a 2ª vice presidência e era presidente da Comissão de Previdência e Assistência social.

Wilma foi eleita a primeira governadora do RN em 2002 e reeleita em 2006. (Foto: Reprodução)

Há mais de um ano, Wilma de Faria estava em tratamento contra uma neoplasia no intestino e havia se licenciado recentemente das atividades legislativas por 30 dias para tratar da doença. Na última quinta-feira (15), às 23h40, Wilma perdeu a batalha para o câncer aos 72 anos.

Leonardo Dantas

Comments are closed.

Política

Colapso institucional, um governo criminoso e o PSDB

Política

Boulos: "Não é possível avanço social sem enfrentar privilégios".