Rio Grande do Norte, terça-feira, 21 de novembro de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 7 de novembro de 2017

Pesquisadores dizem que o universo não deveria existir!

postado por Wilson Ferreira

Quanto mais a Ciência se distancia do antigo modelo mecanicista de Universo, curiosamente mais se aproxima da antiga Cosmogênese do Gnosticismo e da mitologia grega na qual mesmo o poderoso Zeus estava submetido às leis do Senhor do Tempo – Cronos. Pesquisadores do CERN perplexos afirmam: o Universo não deveria existir! Sem conseguirem encontrar assimetria entre matéria e anti-matéria, os pesquisadores atestam que o Universo deveria ter se auto-aniquilado no segundo seguinte à Criação após o Big Bang. Ao mesmo tempo, cientistas do Instituto Max Planck na Alemanha chagaram a dados relativos à energia interna de um buraco negro que inesperadamente confirmam a hipótese do Universo Holográfico – em algum lugar nos limites do Universo existiu uma superfície 2D que “codificou” toda a informação que descreve a nossa realidade 3D + Tempo. A improbabilidade do Universo seria mais uma evidência do cosmos ser uma simulação finita? 

O leitor deve já ter ouvido falar no filme Fenda no Tempo (1995), adaptação para a TV de Tom Holland do livro de Stephen King chamando “The Langoliers”: um grupo de dez passageiros em um voo de Los Angeles a Boston acorda e descobre que os outros passageiros e tripulação desapareceram, não sabem mais para onde estão voando e não têm mais qualquer contato nem visual e nem de rádio com o solo.

Acabam pousando em um aeroporto vazio e sentem-se como os últimos sobreviventes da Terra. Para mais tarde descobrirem que estão em um limbo interdimensional em alguma fração do tecido do tempo entre o passado e o futuro. E devem fugir dali, antes de serem devorados por monstros do Tempo vindos do passado – dessa forma o Tempo anda para frente, num fluxo em que o presente é devorado por monstros para se tornar passado. O Tempo consome a si mesmo – desculpe pelos spoilers, mas será por uma boa causa…

Duas notícias de recentes descobertas no campo da microfísica e astrofísica parecem sugerir algo análogo a essa misteriosa narrativa de Stephen King.

 

Um universo que não deveria existir

Pesquisadores do CERN, na Suíça, fizeram recentemente medidas mais precisas da força magnética de prótons e antiprótons e descobriram que eram exatamente as mesmas. Apenas com sinais trocados de carga positiva e negativa. Matéria e antimatéria seriam simétricas!

Os pesquisadores usaram uma câmera antimatéria para armazenamento e uma “armadilha Penning” (um recipiente cilíndrico que captura partículas carregadas), mantendo a antimatéria extremamente fria por 405 dias, tempo suficiente para fazer as medidas do momento magnético. E a medida em magnéton nuclear (μN) foi de -2,7928473441. A exata medida do próton, mudando a penas o sinal negativo.

Para o físico Christian Smorra do Symmetry Experimental Baryon-Antibaryon do CERN, isso significa que o Universo NÃO deveria existir, colocando em xeque o modelo cosmológico do Big Bang: se a explosão primordial criou quantidades iguais de matéria e antimatéria, tudo deveria ter se aniquilado mutuamente. Então, por que ainda continuamos aqui?

Perplexo, Smorra afirma: “tem que existir alguma assimetria, em algum lugar. Simplesmente não entendemos onde está a diferença entre matéria e antimatéria que justifique a existência do Universo” – clique aqui.

Muitos começaram a especular que essa descoberta corrobora com a hipótese do Universo como um gigantesco holograma ou as teses do filósofo Nick Bostrom ou de Rich Terrile da NASA de que o universo seria uma gigantesca simulação computacional – sobre isso clique aqui.

 

Buracos negros holográficos

Principalmente depois dessa outra notícia: cálculos da energia interna de um buraco negro bateram com a hipótese do Universo holográfico.

Publicado na revista Physic Review Letters em 2016 com o título “Horizon Entropy from Quantum Gravity Condensates” (Daniele Oriti, Daniele Pranzetti e Lorenzo Sidoni do Max Planck Institute for Gravitational Physics da Alemanha e Scuola Internazionale Superiore di Studi Avanzati, Itália), por meio de simulações computacionais de alta precisão, os pesquisadores calcularam a energia interna de um buraco negro e a energia interna de um cosmo sem gravidade (que é parte fundamental do modelo de Maldacena de Universo Holográfico). Os dois cálculos bateram.

Em outras palavras, ao usarem a gravidade quântica, os cientistas construíram um modelo de buracos negros cujos cálculos indicaram que esses misteriosos objetos podem ser hologramas! Isso significa que, embora se acredite que os buracos negros tenham três dimensões, eles podem ser projeções bidimensionais.

Um holograma é uma imagem de três dimensões impressa num suporte de duas dimensões. Falar que o Universo é holográfico, não significa evidentemente que somos todos desenhos animados vivendo em um mundo sem profundidade.

Bem diferente disso, significa que toda a “informação” que compõe e descreve a nossa realidade 3D, além do tempo, está contida em uma superfície 2D nos limites desse Universo.

 

 

“Imagine que tudo que você vê, sente e ouve em três dimensões (e a sua percepção do tempo), de fato emana de um campo plano bidimensional. A ideia é semelhante à dos hologramas comuns, onde uma imagem tridimensional é codificada em uma superfície bidimensional, como no holograma em um cartão de crédito. No entanto, neste caso, todo o universo está codificado!” explica o professor Kostas Skenderis, da Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Universo holográfico, Relatividade e Quanta 

Essa hipótese foi corroborada com análises recentes do micro-ondas de fundo cósmico – a “radiação cósmica de fundo” tida pela teoria do Big Bang como um eco remanescente da explosão primordial.

A equipe liderada por Skenderis fez um mapa dessa radiação de fundo, cujo resultado foi a conciliação da Relatividade Geral de Einstein com a Teoria Quântica – o Universo teria passado por uma “Fase Holográfica” na qual essa superfície 2D foi “codificada” e o espaço e tempo ainda não estavam bem definidos – e onde se aplicavam as teorias de campo quântico. Mais tarde, passou para a fase geométrica (a imagem em 3D + Tempo) que pode ser descrita pelas equações de Einstein.

E nessa fase “geométrica” atual do Universo, podemos encontrar a “assinatura” fractal desse gigantesco holograma: as “cordas” (modelo físico onde a partícula como base da física é substituída pela noção de “cordas”: blocos fundamentais extensos e unidimensionais) e os pixels do universo.

 

Cosmogênese Gnóstica na Física atual?

Este Cinegnose vem acompanhando nos últimos anos como as recentes descobertas experimentais e hipóteses formuladas por matemáticos, filósofos e físicos cada vez mais fazem lembrar a cosmogênese narrada pela mitologia gnóstica: o cosmos material como a criação de uma falsa divindade conhecida como Demiurgo –  um Universo que tentou emular a Plenitude (Pleroma) mas que resultou em algo paródico e imperfeito – regido pela entropia, caos e destruição.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Wilson Ferreira

Jornalista e professor na Universidade Anhembi Morumbi/São Paulo na área de Estudos da Semiótica. Pesquisador CNPQ do grupo de pesquisas "Cinema e Sagrado no Cinema e Audiovisual e autor dos livros "O Caos Semiótico" e "Cinegnose" pela Editora Livrus. Editor do blog "Cinema Secreto: Cinegnose" sobre confluências entre Gnosticismo e Sagrado no Cinema, Audiovisual e Cultura Pop em geral.

Leave a Reply

Cultura

"Comunistas Fazem Sexo Melhor?": sexo em um país dividido

Cultura

DE FANZINAGENS E FESTIVAIS