Rio Grande do Norte, quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

publicado em 10 de janeiro de 2018

“Um Ano de Golpe” é lançado nesta quinta-feira (11) em Natal

postado por Leonardo Dantas

O médico e bacharel em Direito, Alexandre Motta, promove o lançamento do livro “Um Ano de Golpe”, nesta quinta-feira (11), a partir das 19h, no Acabou Chorare Bar Cultural. O livro, com selo da editora ComPactos, reúne textos de resistentes e militantes acerca do governo Michel Temer. Motta assina uma das crônicas.

O evento tem como objetivo também, angariar fundos para possibilitar a ida de jornalistas e profissionais da comunicação potiguar para o julgamento de Lula no TRF4, em Porto Alegre. A atração musical fica por conta de Donizete Lima.

Sobre o livro:

Um ano que valeu por dez, e no qual o Brasil andou para trás. Assim pode ser definido o período da história brasileira que se inicia com a deposição de Dilma Rousseff, segundo os autores da obra Um ano de Golpe. O livro, com selo da editora ComPactos, reúne textos de resistentes e militantes contra o governo ilegítimo, marcado pela alteração nas regras trabalhistas e previdenciárias, além dos cortes em investimentos sociais e uma polêmica reforma no Ensino Médio.

O objetivo do volume é marcar posição política ante uma administração que, na visão dos autores, virou as costas para a opinião pública. “Por não ter sido eleito democraticamente, e sim alçado a presidência através de um complô, o governo ilegítimo pode governar sem levar em conta os desejos da população, atendendo apenas às exigências do pequeno grupo que lhe dá sustentação”, afirma a editora do livro, Cleusa Slaviero. “Com esta obra, queremos manter uma militância ativa e mostrar às pessoas que não devem se sentir sufocadas, e sim motivadas a lutar pelo restabelecimento da democracia”.

O prefácio de Um Ano de Golpe foi escrito pela psicanalista e escritora Maria Rita Kehl, membro da Comissão da Verdade, que investigou os crimes da Ditadura Militar.

Leonardo Dantas

Leave a Reply

Política

Escola sem Partido: retrocesso e autoritarismo