Rio Grande do Norte, sábado, 19 de agosto de 2017

Carta Potiguar - uma alternativa crítica

Categoria: Artes

Fascismo, sexo e poder em “Tras El Cristal”

publicado em 13 de agosto de 2017

Um filme com aura maldita e perversa. Quando exibido no Festival de Berlim, o seu diretor, o espanhol Agustí Villaronga, foi insultado e quase agredido por espectadores. “Atras El Cristal” (1986) acompanha um médico pedófilo nazista que, sentindo-se culpado pelas atrocidades cometidas nas experiências com crianças em campos de concentração, tenta um suicídio mal sucedido. […]

Centro Histórico de Natal recebe “Juntêro na Rua”

publicado em 9 de agosto de 2017

“Resistir, ocupar e estar juntos convivendo e ofertando o que sabemos fazer de melhor” é a ideia do Juntêro na Rua , que tem sua primeira edição realizada na próxima sexta-feira (11), com produção da Estação Cordel, Insurgências Poéticas & Rousi Florcaéte, em parceria com artistas, artesãos e produtores independentas da cidade. É um convite a vivenciar a Praça Padre […]

Casa do Cordel celebra 10 anos de atividades

publicado em 2 de agosto de 2017

Referência na cultura potiguar, a Casa do Cordel promove durante o mês de agosto, o mês do Folclore, uma programação em alusão aos 10 anos de atividade da instituição. Serão realizados lançamentos de obras literárias, saraus poéticos, shows musicais, oficinas e exposições. As festividades já começam neste sábado (05), com o III Café com Cordel, em […]

Insurgências Poéticas encerra temporada nesta quarta-feira (26)

publicado em 25 de julho de 2017

Finalizando a quarta temporada, o sarau faz uma homenagem ao poeta Jean Sartief, no Bardallos Comida e Arte, nesta quarta-feira (26), a partir das 19h. Sartief já publicou quatro livros: “Entre o sol e a lua”, “Eclipse”; “Na Boca Das Tuas Palavras” e “O Mar Sou Eu” e se prepara para lançar um novo ainda este […]

Insurgências Poéticas em duas edições esta semana

publicado em 11 de julho de 2017

Pensando em como melhorar a democratização do acesso às  movimentações poéticas, o projeto Insurgência Poéticas se rebela em duas edições nesta semana. A primeira acontece no Bardallos Comida e Arte nesta quarta-feira (12), a partir das 19h. Já a segunda edição desembarca no Nalva Melo Café Salão, no sábado (15), a partir das 16h. Ambas […]

Volta chicote!

publicado em 10 de julho de 2017

— Meu lombo sarou – comenta o amigo. — Ainda dói minha alma, dói minha vista ampliada pela falta de viseiras – responde o outro. — Mas que absurdo, sem chicote ou arreio como vamos seguir? — Diziam que seríamos felizes, sem os cavaleiros, sem as carroças, mas que despautério, ser feliz sem um peso […]

Série brasileira “3%” é o “Black Mirror” do Brasil atual

publicado em 8 de julho de 2017

Enquanto a crítica especializada estrangeira é só elogios à série brasileira “3%” (2016-), no Brasil a crítica torce o nariz. Complexo de vira-latas? Mais do que isso. A aposta da Netflix em uma produção sci-fi em língua portuguesa reafirma o interesse estratégico da plataforma de streaming no mercado brasileiro, ameaçando o mainstream da Globo e […]

O poema de ontem

publicado em 19 de maio de 2017

Ontem, gastei uma tarde inteira em um poema. Lugar inusitado, insólito, inesperado. Uma tarde inteira! Briguei com o meu amor, não paguei as últimas contas atrasadas, esqueci-me de regar as plantas. Uma tarde inteira! De vez em quando, passeando por outros textos, na esperança de encontrar salvação, folheava o livro. “Todo poeta é um perigo […]

Pons Asinorum

publicado em 9 de maio de 2017

“Alea Jacta est”( A sorte está lançada) Júlio César, ao atravessar o rio “proibido” Rubicon    I TOC!TOC!TOC! ………Quem….Quem pode ser a essa hora da manhã?  Pensou ao se levantar com dificuldade, depois de uma noite em claro, regada ao uso de STAN. O sistema de segurança havia falhado? Os sensores não acusavam nada. Nenhuma […]

A morte de Belchior e a construção do estereótipo do “maluco beleza”

publicado em 6 de maio de 2017

Belchior foi um verdadeiro objeto voador não identificado na MPB. Por décadas a mídia corporativa tentou enquadrá-lo em alguma categoria: “rapaz romântico”, “brega”, “figura de voz fanhosa e bigodão” etc. E nos últimos anos, procurou encaixá-lo na narrativa “desaparecido/aparecido” e, por fim, na sua morte, transformá-lo no estereótipo do “maluco beleza”. Para quê? Para enquadrá-lo […]